quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

FAVOR NÃO ESPALHAR!

Alguns conhecidos já me perguntavam sobre A Crise - assim mesmo com letra maiúscula, quando ainda residia nos Estados Unidos. Após retornar ao país do 'mensalão' e do maracatu, mais e mais pessoas me questionaram a respeito do assunto, largamente discutido nos telejornais brasileiros.

Minha resposta foi - na maioria das vezes - sempre igual. Re: "Que crise?" - assim mesmo com letra minúscula. Não sou alienado nem ignorante, sei muito bem do que todos falvam e que queriam ouvir uma opinião de alguém de dentro. Alguém que estivesse vivendo de forma mais intensa e mais de perto aquilo tudo o que se falava nos telejornais por aqui. Ouvir alguém que estivesse lá onde tudo começou(?).

Minha resposta transmitia exatamente o sentimento de um trabalhador que - sozinho - não movimentava de forma significativa a economia, portanto - sozinho - não sentiria seus efeitos. O fato é que os alimentos continuaram com o mesmo preço, as roupas não mudaram em nada, os eletro-eletrônicos não sofreram 0,1% de aumento sequer e a gasolina subiu de preço. Quando cheguei na California - final de março - o galão (3.78 lts) de gasolina estava, em geral, sendo negociado a US$ 2.10. No auge do verão - já em constante aumento - o galão chegou a custar US$ 5.29, atingindo o preço mais alto da história dos Estados Unidos. Nunca havia ocorrido algo do gênero, seria o fim do mundo se aproximando, todos iriam a falência, pois dirigir carros carros populares com 8 cilindros seria inviável.

Logicamente, não seria viável continuar com o preço da gasolina tão elevado. Pois bem, o verão passou, as férias acabaram, os turistas foram embora e parece que o preço do combustível - literalmente - caiu na real. Em novembro, mês em que decidi viajar pelo tão belo Estado da California, o galão de derivado do famoso "ouro negro" estava sendo cotado a míseros US$ 1.99. Há três dias, liguei para um amigo que mora em Los Angeles, que após 2 horas de conversa - sem exagero - me pediu para adivinhar quanto estaria sendo cotada a gasolina por lá. Acreditei que ainda rondava a casa dos US$ 2. Engano meu, em Los Angeles compram-se 3.78 litros de gasolina pela bagatela de US$ 1.68. E adivinhem, o mundo ainda continua de pé por lá...

Será que alguém ganhou dinheiro com isso? (Risadas.) Sem sombra de dúvida. O preço realmente subiu, ou fizeram o preço subir? Acredito na segunda opção. De repente foi a Toyota/Lexus querendo colocar mais Prius no mercado. De repente foi algo muito maior que isso e eu ainda nem consegui imaginar. O que se tira dessa situação toda é muito aprendizado - e alguns, muito dinheiro dos outros.

Em tempos de soberania ou crise econômica, há quem ganhe e quem perca dinheiro. Até hoje, não se viu alguém ficar rico simplesmente juntando seu próprio dinheiro. Isso não existe. O que se viu é alguém ficar rico por juntar dinheiro dos outros e guardar para si. Estou dizendo que no mercado, não há como todo mundo perder. Para alguém ganhar, alguém perde. Para alguém perder, outra pessoa há de ganhar. É assim que funciona: o dinheiro se movimenta de mão em mão, sem pertencer a alguém, apenas encontrando-se disponível para ser utilizado em determinado momento, por determinada pessoa. O dinheiro não se desmaterializa.

Será que alguém ganha dinheiro com a 'crise - global - atual'? Já falei que sim... Para alguns estarem em crise, outros hão de estar nos melhores momentos de seus históricos financeiros. As emissoras (brasileiras) de televisão apenas bombardeam seus telespectadores com "a crise dos alimentos", "a crise dos minérios", "a crise dos abajures" e a "crise dos parafusos de 1/4 de polegada" - que está por estourar - pois a diferença atual da quantidade de pessoas que ganha e perde é muito grande. Há 'muita' gente perdendo, para 'pouca' gente ganhando.

Concluindo, as 'crises' levam esse nome justamente por quê são passageiras. Elas têm um fim, todas acabam. Ocorrem de tempos em tempos, são cíclicas e até o dia em que houver uma pessoa querendo ter mais dinheiro que já possui, continuarão a existir. Para quem está no meio de uma crise, o mundo pode parecer acabar no dia seguinte, cada segundo do dia passa mais devagar e a sensibilidade à notícias e informações fica mais alta. Não há como negar. Como qualquer outra, a atual crise deixará marcas, mas a notícia boa é que ela vai passar... Nunca esquecendo que outras virão.

12 comentários:

marquito disse...

Puts cara, essa dissertacao - argumentativa fico boa, podia tenta faze ela num vestibula :)

Marco Queiroz disse...

Igor pra vereador!

E é só o começo...

Marco Queiroz disse...

Só pra completar, melhor que isso só a falência da GM!

Igor Terres disse...

Marcolino, falência da GM... Segundo esse amigo que mora por lá, há propagandas da GM nos jornais, televisao e rádio de Escalade tudo que dá por US$ 7.000!

Tomara que não subam o preço da gasolina logo depois da venda desse monte de carro. Cadillac em promoção! Quem diria...

Rita Copetti de Queiroz disse...

"Será que alguém ganhou dinheiro com isso? (Risadas.)"


Ise? que ise?

Dagor, em junho os preços dos alimentos,ceta basica tal igado, aqui no RS, mais precisamente em Porto Alegre, em alguns casos especificos como o arroz, chegaram a dobrar de preço, o feijão nem se fala. Passados dois meses, la por agosto, a coisa voltou a se normalizar. É fato que alguém ganha com isso, e é fato que a população gosta de ser iludida.
E é facil ser enganado, lembra no segundo dia que tu estava no Brasil, estavamos aqui na ofcina totamndo um belo cafe da manhã, e estavamos vendo o tele jornal matutino, todas as reportagens envovlviam a palavra CRISE! É muito fácil acreditar na tv...

PS. - muito bom o post!

Igor Terres disse...

Muito obrigado, Rita.

Dan disse...

Muito bom, Igor! Muito bom!

Adriana Sugimoto disse...

Iggooooor!

Quanto tempo eu não posto um comentário!!!

Que vergonha...

Mas teu post me lembrou o Bom dia Brasil... que eu acabei desistindo de "ouvir" quando eu acordava justamente pelo início sempre conter algo sobre crise...

"As bolsas em queda..."
"A crise nos EUA..."

Pior que isso contamina, e a gente sai na rua e as pessoas estão a comentar da "CRISE"... que elas tem poupar agora....

e isso vira uma bola de neve...

Igor Terres disse...

Valeu, Dani!

Não se sinta envergonhada, Adri. O blog andou meio atirado por um tempo, perdi leitores, aos poucos estou retomando.

Roberta Granada disse...

Oi , gosto muito do teu blog, eu tb tenho um blog http://agulhaetricot.blogspot.com,visite-me,beijo.

Germano disse...

Cara, foi uma análise interessantíssima - sem exageros.
Valeu!

Rita Copetti de Queiroz disse...

Favor atualizar.